.hack: uma review geral da franquia

Eu queria ter feito esse post mais cedo, pelo menos antes do lançamento de //Sekai no Mukou ni, pra poder ao menos ter uma base de comparação na franquia. Mas considerando que continuam produzindo jogos e animes .hack, então fica para os que virão no futuro.

Todos os .hack giram em torno de uma mesma idéia central: jogadores de The World, o jogo mais popular do mundo, estão entrando em coma por todo o país, e um grupo(sempre os mesmos avatares) tenta procurar uma solução pra isso. O que muda em cada anime é a maneira com que isso é abordado, por exemplo, em //Sign é dado mais destaque à solução do mistério, enquanto que em //Roots focam mais no sofrimento do protagonista, e desvendar o mistério fica meio em segundo plano.

Vale lembrar que .hack é um projeto multimídia, ou seja, as vezes uma ou outra coisa é deixada de lado para que você tenha que jogar o jogo para entender. Tudo bem. Está no direito deles usar o anime como forma de publicidade, considerando que muitas vezes uma produção animada tem mais destaque que uma propaganda convencional. Não significa que eu não vou aplicar minha regra de que tudo deveria ser stand-alone.

.hack//Sign

Mesmo depois de 10 anos, //Sign continua sendo a melhor série da franquia. O enredo pode ser simples, mas é bem feito, e os personagens, embora não tenham uma caracterização de outro mundo, ao menos tem personalidade forte e não se comportam de maneira irritante. Até a menina que nunca jogou um jogo antes se comporta decentemente, diferente da qual-é-o-nome-dela-mesmo de //Sekai no Mukou ni. A trilha sonora, como o vídeo acima comprova, é divina. Um dos melhores trabalhos do Yuki Kajiura, com certeza. Talvez o principal problema, que é capaz de estragar o anime pra muita gente(aconteceu comigo também) é o andamento mortalmente lento quase parando do anime. O péssimo ritmo, bem como a animação abaixo da média e que arruinou os character designs do Yoshiyuki Sadamoto, possui um culpado, o estúdio Bee Train, que ainda engatinhava naquele tempo e ganhou fama(ou infâmia) justamente por produzir animes lentos e entediantes.

.hack//Sign é um anime com uma estória bem feita e personagens bem concebidos, mas não é um anime para todos, pois o andamento vagaroso da série é um grande obstáculo para que seja apreciado.

.hack//Liminality

Eu sou o único que tem certeza que a menina do meio tem autismo?

//Liminality é uma ofensa. Ele é ambientado mais no mundo real do que em The World, acho que dá pra contar nos dedos de uma mão quantas vezes o mundo virtual aparece aqui. É uma alternativa até que interessante dar mais ênfase a uma investigação no “nosso” mundo ao invés do outro. Mas a maneira com que é feita é deprimente, três garotinhas e um detetive invadindo uma super corporação, tá de brincadeira? O anime só não é uma porcaria completa por causa do episódio 3, que envolve andar por uma cidade procurando pistas de alguma coisa que me eu não me lembro exatamente o que é, e cada pista vinha na forma de enigma, onde a solução indicava um novo lugar para ir, e lá tinha outro enigma e assim por diante, como uma espécie de city tour baseado em mistérios. Eu achei legal. Mas foi só isso mesmo.

.hack//Legend of the Twilight

E aqui também. A diferença é que tem mais meninas do meio, e algumas delas são homens.

Ou //LotT pra encurtar, é junto com //Roots o que de pior já foi feito carregando o nome .hack. Eu lembro que eu assistia isso junto com //Sign no ANIMAX(RIP) quando eu era mais novo, e naquela época eu achava //LotT idiota e meio engraçado. Assistindo recentemente, eu achei que era idiota e idiota. Ele é só fanservice e fanservice e muito pouco desenvolvimento em todos os outros departamento. O enredo é totalmente negligenciado até os 2 ou 3 episódios finais, onde quase do nada aquela atmosfera bobona e descuidada sai e dá lugar a um clima mais sério. Mas não existe uma construção, onde eles vão de pouco a pouco deixando as coisas mais sombrias, é tudo feito de uma hora pra outra. O que me surpreende mesmo é que um dia eu já gostei disso.

.hack//Roots

Se //Liminality focou mais no mundo real em detrimento do jogo, //Roots é o completo oposto, dando muito mais destaque ao que acontece em The World. Isso é um problema, porque considerando do que se trata o enredo, haveria muito mais impacto se nós pudéssemos ver o que acontece, mas o desenvolvimento aqui é majoritariamente verbal, apenas os personagens falando um por outro o que está acontecendo. Isso importa porque animes são uma mídia visual, você pode e deve mostrar o que acontece em vez de apena falar. “Mostre, não diga”, é a regra de ouro de qualquer diretor de verdade quando se trata de avançar o enredo. Fora esses enganos por parte da produção, //Roots deve ter o pior protagonista de um .hack. E o resto do elenco não fica muito atrás. Eu nem consigo me lembrar direito da estória, ou se houve uma, tudo que eu me lembro é da ira e do desprezo que eu tinha pelo personagem principal. Pro inferno com ele.

Eu perdi a conta de quantas vezes que quis ver esse safado morto.

.hack//G.U. Trilogy

Eu não lembro de nada de Trilogy. Eu tive que ir pesquisar no Google pra ver se eu me recordava de algo, eu comecei a ficar com medo de que eu teria que reassistir de novo pra poder falar alguma coisa. A única coisa que eu lembro é que tem mais ou menos a mesma estória de //Roots(?), ou só os mesmos personagens e aí eu confundo ter o mesmo enredo(mas, de novo, eu mal lembro do enredo de //Roots), e que a CGI é fantástica. Bom, a animação das cenas de ação é muito boa, porque quando se trata de animar ações convencionais dos personagens(como falar ou piscar os olhos) é muito ruim, aliás como toda e qualquer CGI. Enfim, //Roots versão computadorizada, mais ou menos isso.

.hack//Quantum

Híbrido de Kite e Hatsune Miko.

//Quantum, tirando o cabelo ridículo do Kite, não tem nada ofensivamente ruim como nos outros animes. É quase igual a //Liminality, se tratando de garotinhas querendo descobrir o que diabos está acontecendo, mas no geral é mais inteligente(ou menos imbecil) do que o seu antecessor. Nada que mereça muito destaque, se não é uma obra-prima, pelo menos não é uma abominação.

Anúncios
Esse post foi publicado em Animes e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para .hack: uma review geral da franquia

  1. Conheci.hack pelo filme mais recente e quero conhecer mais sobre a história mas me desanimei com sua review…mas pelo que você diz entre todos esses .hack//sign é o melhorzinho, então vou ve-lo.
    Mas como é uma review pessoal ainda pode ser que eu goste dos outros.
    E uma dúvida, queria saber se você ja jogou os jogos para o PS2 de .hack//?

    • Juumonji disse:

      Não, nunca joguei os jogos de .hack. E sim, pode ser que você goste ds outros e pode ser que deteste Sign. O ritmo de Sign é lento demais e eu mesmo cheguei a detestar ele por causa disso. Mas se for pra ser uma recomendação assista Sign e Roots(mesmo com o protagonista imbecil). Os outros são só fanservice e passáveis.

  2. Adorei .Hack. Somente um retardado não entende o .hack//Sign. O exagero ficou por conta da água com açúcar que colocaram no anime. Um possível triangulo amoroso não foi explorado e o pior a lerdeza para desenrolar os episódios é fantástica. Mas,a história de Tsukasa é excelente e cheia de mistério, algo que faz você tentar descobrir os porquês dele (que mais tarde é revelado que se trada dela, é uma garota) não poder deslogar do The World

  3. Hellio Ichinose disse:

    Eu estava pensando que a sua review de .hack// seria bem construida, mas me enganei. Primeiro nao é os mesmos avatares (PCs) eles nao se repetem cada historia personagens diferentes. Segundo os jogos é o foco e os animes é uma explicacao do enredo e que explica acontecimentos nao explicados no game. Terceiro o LotT é uma historia alternativa, o original é o manga, e possui diferencas entre si. Quarto o ROOTS é o melhor anime da série e conta a historia de quando e porque o Haseo se tornou um PKK. Quinto Trilogy nao tem nada aver com o ROOTS esse filme conta a historia dos jogos G.U. De forma diferente. Sexto Quantum é um anime bem interessante, pois explica acontecimentos depois de G.U. E LINK. Sétimo voce nunca jogou um game entao… Sua review nao é muito valida. Desculpa se fui direto e grosso, mas a sua review é broxante e por causa de reviews assim de .hack que muitos nao chegam a querer conhecer a série. Se possivel jogue os jogos e veja as outras midias e faca outra review.

  4. Shad disse:

    .Hack// nem sempre gira em torno de algurm entrando em como e não nem sempre sao os mesmos avatares como personagens principais, principalmentr na saga G.U também em A.I Buster, entre outros.

    Quanto a Twilight, ele foi feito pra ser assim, bobo e idiota,seus temas são apenas isso, a saida da adolescencia, o fanservice exagerado e (forçado) é totalmente intencional Twilight é realmente focado para um outro publico.

    cada .hack// tem uma ideia,um conceito e isso tbm se aplica no genero da midia em questão, portanto nem todos são sobre os mesmos temas, existem temas em comum a se repetirem, mas até mesmo na primeira trilogia de jogos (Infection,Quarentine, etc..) e G.U existem temas diferentes a serem abordados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s